Artista

FABIO MIGUEZ

Pintor, gravador, fotógrafo. Inicia curso de arquitetura e estuda gravura em metal com Sérgio Fingermann. Entre 1983 e 1985, integra o ateliê Casa 7, juntamente com Carlito Carvalhosa, Nuno Ramos , Paulo Monteiro e Rodrigo de Andrade. No início, sua obra, realizada em grandes formatos, apresenta pinceladas amplas e cores fortes, uma fatura expressiva, que se aproxima da transvanguarda italiana e do neo-expressionismo. Já no fim dos anos 1980,  o artista passa a produzir telas abstratas carregadas de matéria pictórica, que tendem ao monocromatismo, utilizando tons rebaixados. Já nas telas produzidas a partir da metade dos anos 1990, os planos de fundo passam a ser frequentemente grandes áreas cinzas ou brancas, e o artista explora a diluição da tinta e a intensificação das cores. A fatura torna-se mais transparente. Paralelamente, o artista dedica-se à fotografia.